Translator Disclaimer
1 December 2010 Occorrência de Primatas No Parque Estadual do Ibitipoca e Entorno, Estado de Minas Gerais, Brasil
Denize Fontes Nogueira, Daniel da Silva Ferraz, Aquila Fialho Oliveira, Fernanda Pedreira Tabacow, Sara Machado de Souza Amâncio, Fabiano Rodrigues de Melo
Author Affiliations +

Introdução

A Mata Atlântica está sendo fortemente afetada pelos efeitos de fragmentação à semelhança das demais florestas tropicais do planeta. Depots da Amazônia, a Mata Atlântica é o bioma neotropical que apresenta a maior riqueza de espécies. Das cerca de 260 espécies de mamíferos que ocorrem no bioma (Mittermeier et al. 1998; Myers et al. 2000), 24 são primatas, sendo 17 endêmicas (Rylands et al. 1996; Mendes et al. 2003). Devido ao hábito arborícola, a destruição e a fragmentação da floresta, em alguns casos aliadas à caça, levaram cerca de 70% das espécies de primatas da Mata Atlântica à beira da extinção (Machado et al. 2008). Para agravar a situação, somente ¼ das áreas protegidas da Mata Atlântica tem área suficiente para sustentar populações viáveis de primatas (Chiarello 2000). O Estado de Minas Gerais, outrora amplamente coberto por florestas, tem registrado altos níveis estáveis de desmatamento na última década, resultando na redução da cobertura florestal de 47% para 33% de sua área total (Instituto Estadual de Florestas 2008). Embora esse cenário seja desfavorável para as espécies que dependem de florestas, levantamentos recentes têm localizado grupos remanescentes de primatas em várias áreas. A estimativa da população selvagem do muriqui-do-norte (Brachyteles hypoxanthus), espécie ‘Criticamente Em Perigo’, por exemplo, aumentou de 500 para mais de 900 indivíduos (Mendes et al. 2005). No entanto, a maioria de suas populações sobrevive em pequenos fragmentos florestais (Mittermeier et al. 1987; Strier 2000; Dias et al. 2005).

O Parque Estadual do Ibitipoca (PEIb) é um bom exemplo dessa paisagem fragmentada. A Floresta Ombrófila Densa Altimontana (Fontes et al. 1996) desta Unidade de Conservação (UC) e de seu entorno é habitada por cinco espécies de primatas: Callicebus nigrifrons (sauá), Callithrix penicillata (mico-estrela), Alouatta guariba clamitans (barbado), Cebus nigritus (macaco-prego) e Brachyteles hypoxanthus (muriqui-do-norte) (Hirsch et al. 1994; Fontes et al. 1996). Devido à carência de dados acerca da densidade e estado de conservação dos primatas no PEIb e nos fragmentos florestais de seu entorno, este trabalho visou descobrir novas populações remanescentes de muriquis, determinar parâmetros populacionais a fim de avaliar a necessidade de ampliação da área do PEIb ou de estabelecimento de um mosaico de UCs no seu entorno.

Metodologia

Área de estudo

O estudo foi realizado no Parque Estadual de Ibitipoca (Fig. 1) que é administrado pelo Instituto Estadual de Florestas-IEF, Estado de Minas Gerais, e em 22 fragmentos florestais localizados em propriedades particulates de seu entotno. O PEIb está localizado no município de Lima Duarte e faz divisa com os municípios de Bias Fortes a leste e notdeste e Santa Rita do Ibitipoca a notoeste. Os 22 fragmentos estão distribuídos em três regiões distintas: Mata do Patuá, Mata dos Luna e Mata Grande. A área dos fragmentos variou de 32 a 1600 ha.

O PEIb (21°42′32,3″S, 43°53′45,3″O; 1100–1782 m.a.n.m.; 1488 ha) faz parte do complexo da Serra da Mantiqueira situada nos municípios de Lima Duarte e Santa Rta de Ibitipoca, numa zona de transição entre a Mata Atlântica e o Cerrado (Hermann 2007). É considerada uma UC de alta importância biológica para a conservação de mamíferos da Mata Atlântica (Oliveira 2004; Biodiversitas 2005). A Mata Gtande possui 70 ha (Rodela 1998) e compreende aproximadamente 47% da área total de Floresta Ombrófila do PEIb (Oliveira 2003), representando um impoitante refúgio para espécies endêmicas e raras da fauna. A Mata do Patuá (21°42′26,4″S, 43°51′39,4″O) está localizada na base do morro do Gavião, paredão granítico que faz divisa com o PEIb, no município de Lima Duarte. O tipo fisionômico predominante é a Floresta Estacional Semidecidual Montana, na sua maiot parte em estágio secundário de desenvolvimento devido a um intenso processo de corte seletivo. Próximos a este bloco de floresta, existem fragmentos em diversos estágios de regenetação, alguns dos quais encontramse intetligados nas cumeeitas dos morros por corredores de mata. A Mata dos Luna (21°38′42,5″S, 43°52′45,1″O) possui cetca de 32 ha e é caractetizada por Floresta Estacional Semidecidual Montana, a qual foi alterada por corte seletivo, embora possua áreas com árvores de grande porte (Ataújo 2003). Está localizada a noroeste do PEIb no município de Santa Rita do Ibitipoca onde encontra-se isolada por áreas de atividade agtopecuátia.

Figura 1.

Cobertura vegetal na região do Parque Estadual do Ibitipoca, Lima Duarte, Estado de Minas Gerais, Brasil.

f01_67.jpg

As áreas de mata visitadas foram identificadas através da base cartográfica do IBGE (escala 1:50000), de imagens de satélite IKONOS e da indicação de ptoptietários e moradores. Treze campanhas de censo com duração de 5 a 7 dias (totalizando 60 dias de campo) foram realizadas no período de julho de 2004 a junho de 2006. Para localização dos grupos de primatas, foram percorridos transectos pté-existentes em bordas de mata, trilhas e estradas no interior do PEIb e nos fragmentos do entorno, a uma velocidade aproximada de 1,0 km/h conforme sugerido para o Método do Transecto Linear (Buckland et al. 1993). De forma oportunística foram registrados todos os avistamentos, vocalizações e fezes obtidos a pé ou a cavalo dutante os deslocamentos entre os fragmentos. A utilização de playback também foi realizada durante as caminhadas. Entrevistas elaboradas na forma de roteito também foram realizadas com a apresentação de fotogtafias das espécies da fauna com ocorrência comprovada para a área de estudo e a utilização de CD com gravação das vocalizações características de B. hypoxanthus, C. nigrifrons, C. penicillata e A. g. clamitans. A densidade de B. hypoxanthus foi calculada com base no número de indivíduos avistados dividido pela área total da Mata dos Luna (mapeamento total). Devido ao baixo número de avistamentos das demais espécies, foi calculado índice de abundância relativa (taxa de encontro), exptesso em número de indivíduos avistados pot 10 km petcorridos.

Resultados e Discussão

Foram obtidos 50 registres de primatas (13 no PEIb, 30 na Mata dos Luna e 7 na Mata do Patuá) distribuídos em cinco espécies: C. nigrifrons (18), B. hypoxanthus (17), C. penicillata (8), A. g. clamitans (6) e C. nigritus (1) (Tabela 1). Brachyteles hypoxanthus teve sua densidade estimada em 0,15 ind./ha, enquanto a taxa de encontro das demais espé cies foi de 7,1 ind./10 km para C nigrifrons, 3,1 ind./10 km para C. penicillata, 2,4 ind./10 km para A. g. clamitans e 0,4 ind./10 km para C. nigritus. A riqueza de espécies encontrada está de acotdo com o citado pot vários aurores (Hirsch et al. 1994; Fontes et al. 1996; Melo et al. 2002; Oliveita 2004; Hermann 2007). À semelhança de Melo et al. (2002) e Oliveira (2004), B. hypoxanthus foi registrado somente na Mata dos Luna, obsetvação compativel com a hipótese de Oliveira (2004) e Hermann (2007) de que a espécie está extinta no PEIb. Além disso, o presente estudo constatou um declínio no tamanho populacional da espé cie nesta localidade. Enquanto Oliveita (2003) relata a presença de um grupo composto pot 10 indivíduos, Melo et al. (2004) registraram apenas sete indivíduos adultos (quatro machos e três fêmeas) no mesmo grupo. No levantamento de 2005 vetificou-se que as fêmeas haviam desaparecido, permanecendo até 2009 apenas os quatro machos adultos (F. R. Melo, obs. pess.). Este resultado é compatível com o sistema social de Brachyteles spp., no qual as fêmeas subadultas dispetsam de seus gtupos natais e os machos são filopátricos (Strier 1992; Printes & Strier 1999). Devido à provável ausência da espécie nos fragmentos florestais do entotno da Mata dos Luna, o que inviabiliza a imigração de fêmeas para essa área, apenas estratégias de manejo visando a suplementação dessa população podetão evitar a sua extinção (Melo et al. 2004). A recente extinção da população do fragmento florestal de 44 ha da Fazenda Esmeralda, Rio Casca, é um testemunho dessa realidade. Inicialmente composto pot 15 a 16 indivíduos, o grupo estudado por Fonseca (1985) e Lemos de Sá (1991) foi extinto em 2008 após a transferência do último indivíduo para o cativeiro (F. R. Melo, obs. pess.).

Tabela 1.

Espécies de primatas encontradas nas três regiões de estudo e seus respectivos métodos de amostragem, Lima Duarte, Minas Gerais.

t01_67.jpg

O registre de apenas três indivíduos de C. nigritus na área do PEIb também requer atenção, pois segundo Chiarello (2000) essa espécie é pouco discreta e possui alta taxa de encontro. Essa característica, por sua vez, pode tornar a espécie mais vulnerável à caça (Johns & Skorupa, 1987). Embora a espécie não esteja sob ameaça de extinção, ela é encontrada em baixas densidades na tegião e não foi citada para a área do PEIb nas entrevistas com os funcionários do Parque e os moradores da comunidade de Conceição do Ibitipoca. Registros semelhantes da espécie na Mata Grande, localizada no intetior do PEIb, por Drumond (1989), Oliveira (2004) e Hermann (2007) reforçam as observaçães desta pesquisa.

Pot fim, o pequeno tamanho populacional dessas espécies vivendo em fragmentos isolados compromete sua sobrevivência (Bernardo & Galetti 2004). Neste sentido, Chiarello & Melo (2001) sugerem que apenas fragmentos florestais > 20000 ha são capazes de manter populaçães viáveis de primatas em longo prazo. Portanto, os 32 ha da Mata dos Luna estão muito aquém do necessário para a manutenção de uma população minima de 50 indivíduos. Consequentemente, os limites do PEIb são insatisfatórios para garantit a sobtevivência das espécies na região, o que reforça a necessidade de implantação de um mosaico de Unidades de Consetvação no seu entotno. Desta forma, o incentivo à criação de Resetvas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN's) e Refúgios de Vida Silvestre Estaduais pode viabilizar o estabelecimento desse mosaico. Também é possível aumentar a conectividade estrutural entre os fragmentos por corredores de mata ciliat, a qual se encontra constituída por vegetação em estágio avançado de recuperação (D. F. Nogueira, obs. pess.). Corredores ecolôgicos entre a Mata do Luna e outros fragmentos com a mata do PEIb ampliariam a área de habitat disponível e poderiam restabelecet o fluxo gênico entre as populaçães isoladas, mitigando os efeitos da fragmentação florestal.

Agradecimentos

Ao Instituto Estadual de Florestas — IEF/MG pelo apoio, financiamento do projeto e licenças para trabalhar no Parque Estadual do Ibitipoca; à Fundação Biodiversitas e ao Centro de Estudos Ecológicos e Educação Ambiental — CECO pelo financiamento e U&M na pessoa de Renato Machado, pelo apoio e financiamento do projeto; a todas as pessoas que direta ou indiretamente ajudaram nos trabalhos de campo e nas análises deste trabalho; ao João Carlos Lima de Oliveira, gerente do Parque Estadual do Ibitipoca, pelo apoio, logística e companheirismo. À amiga Carla de Borba Possamai pela tradução do resumo.

Referências

1.

F. S. Araújo 2003. Distribuição e caracterização da vegetação dos arredores do Parque Estadual do Ibitipoca, MG [Monografia de Bacharelado]. Juiz de Fora (MG): Universidade Federal de Juiz de Fora. 57 pp. Google Scholar

2.

C. S. S. Bernardo and M. Galetti 2004. Densidade e tamanho populacional de primatas em um fragmento florestal no Sudeste do Brasil. Rev. Bras. Zool. 21 (4): 827–832. Google Scholar

3.

F. Biodiversitas 2005. Biodiversidade em Minas Gerais: Um atlas para sua conservação. Belo Horizonte , Minas Gerais. 222 pp. Google Scholar

4.

S. T. Buckland, D.R. Anderson, K. P. Burnham and J. L. Laake 1993. Distance Sampling. Estimating the Abundance of Biological Populations. Chapman and Hall, London. 446 pp. Google Scholar

5.

A. G. Chiarello 2000. Density and population size of mammals in remnants of Brazilian Atlantic Forest. Conserv. Biol. 14: 1649–1657. Google Scholar

6.

A. G Chiarello and F.R. Melo 2001. Primate population densities and sizes in Atlantic Forest on mammal communities in south-eastern Brazil. Int. J. Primatol. 22 (3): 376–379. Google Scholar

7.

L. G. Dias , C. L. S. Mendes , E. F. Barbosa, L. S. Moreira , F.R. Melo and K. B. Strier 2005. Monitoramento da evolução da habituação do muriqui Brachyteles hypoxanthus à presença do pesquisador. Em: Programa e Livro de Resumos. XI Congresso Brasileiro de Primatologia. Sociedade Brasileira de Primatologia, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre p.96. Google Scholar

8.

M. A. Drumond 1989. Inventário preliminar de mamíferos do Parque Estadual do Ibitipoca, Lima Duarte, MG. [Relatório Técnico não publicado]. Em: I Encontro de Unidades de Conservação do Instituto Estadual de Florestas, Belo Horizonte, MGGoogle Scholar

9.

G. A. B. Fonseca 1985. Observations on the ecology of the muriqui (Brachyteles arachnoides E. Geoffroyi 1806): implications for its conservation. Primate Cons. 5: 48–52. Google Scholar

10.

M. A. L. Fontes , A. T. E. Oliveira-Filho and M. Galetti 1996. The muriqui in the Patque Estadual de Ibitipoca, Minas Gerais. Neotrop. Primates 4 (1): 23–25. Google Scholar

11.

G. Hermann 2007. Plano de manejo do Parque Estadual do Ibitipoca. Instituto Estadual de Florestas, MG. [Relarótio Técnico não publicado]. Valor Natural, Belo Horizonte, MG. Google Scholar

12.

A. Hirsch , R. J. Subirá and E. C. Landau 1994. Levantamento de Primatas e Zoneamento das Matas na Região do Parque Estadual do Ibitipoca, Minas Gerais, Brasil. Neotrop. Primates 2(3): 4–6. Google Scholar

13.

Instituto Estadual de Florestas. 2008. Cobertura vegetal de Minas Gerais. Website:  http://www.ief.meioambiente.mg.gov.bt. Acessada em 07 de novembto de 2008. Google Scholar

14.

A. D. Johns and J. P. Skotupa 1987. Responses of rain-forest primates to habitat disturbance: a review. Int. J. Primatol. 8 (2): 157–191. Google Scholar

15.

R. M. Lemos de Sá 1991. A população de Brachyteles arachnoides (Primates: Cebidae) da Fazenda Esmeralda, Rio Casca, Minas Gerais. Em: Rylands, AB. e Bernardes, AT, editores. A primatologia no Brasil-3. Fundação Biodiversitas pata a Conservação da Diversidade Biológica, Belo Horizonte, Minas Getais. pp. 235–238. Google Scholar

16.

A. Machado , G. M. Drummond and A. P. Paglia 2008. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. la. Ed. 2 vols. Brasília, DF, Belo Horizonte, MG: MMA e Fundação Biodiversitas. 1420pp. Google Scholar

17.

F. R. Melo , D. F. Nogueita and A. B. Rylands 2002. Primatas do vale Jequitinhonha, Minas Gerais. Em: Livro de Resumos. X Congresso Brasileiro de Primatologia, Sociedade Brasileira de Primatologia. Universidade Federal do Pará, Belém, Parń p. 56. Google Scholar

18.

F. R Melo , L. S. Moreira and D. S. Ferraz 2004. Inventário da população de muriquis-do-norte (Brachyteles hypoxanthus) da Reserva do Ibitipoca, Lima Duarte -MG. [Relatótio Técnico não publicado]. U&M, Santa Rita do Ibitipoca, MG. Google Scholar

19.

S. L. Mendes , B. R. Coutinho and D. O. Moreira 2003. Efetividade das unidades de consetvaçóão da Mata Atlântica para a proteção dos primatas ameaçados de extinção. Em: VI Congresso de Ecologia do Brasil - Anais de Trabalhos Completes, Editota da UFCE, Fortaleza. pp.286–287. Google Scholar

20.

S. L. Mendes , F. R. Melo , J. P. Boubli , L. G. Dias , K. B. Strier , L. P. S. Pinto , V. Fagundes , B. A. P. Cosenza and P. De Marco Jr. 2005. Directives for the consertavation of the northern muriqui Brachyteles hypoxanthus (Primates, Atelidae). Neotrop. Primates 13:7–18. Google Scholar

21.

R. A. Mittermeier , C. M. C. Valle , M. C. Alves , I. B. Santos , C. A. M. Pinto , K. B. Strier , A. L. Young , E. M. Veado , I. D. Constable , S. G. Paccagnella and R. M. Lemos de Sá 1987. Current distribution of the muriqui in the Atlantic forest region of Eastern Brazil. Primate Cons. 8:143–149. Google Scholar

22.

R. A. Mittermeier , N. Myers , J. B. Thomsen , G. A. B. Fonseca and S. Olivieri 1998. Biodiversity hotspots and major tropical wilderness areas: approaches to setting consetvation priorities. Conserv. Biol. 12 (3): 516–520. Google Scholar

23.

N. Myets , R. A. Mittermeier , C. G. Mittermeier , G. A. B. Fonseca & J. Kent 2000. Biodiversity hotspots for conservation ptiorities. Nature 403: 853–858. Google Scholar

24.

R. C. Printes and K. B. Striet 1999. Behavioral correlates of dispetsal in female muriquis (Brachyteles arachnoides). Int. J. Primatol. 20: 941–960. Google Scholar

25.

E. G. R. Oliveira 2003. Ocorrência de muriqui (Brachyteles hypoxanthus) no entotno do Parque Estadual do Ibitipoca, MG. Em: Sociedade Brasileira de Mastozoologia. II Congresso Brasileiro de Mastozoologia. PUC-Minas, Belo Horizonte, p.228. Google Scholar

26.

E. G. R. Oliveira 2004. Levantamento de mamíferos de médio e grande porte e estimativa de tamanho populacional de duas espécies de primatas no Parque Estadual do Ibitipoca, MG. [Dissertação de Mestrado]. Piograma de Pôs Graduação em Ecologia da Universidade Federal do Ro de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil. 84 p. Google Scholar

27.

L. G. Rodela 1998. Mapa de Vegetação e Uso do Solo Parque Estadual do Ibitipoca - MG. [Relatótio Técnico nâo publicado]. IEF/DPB, Belo Horizonte, MG. Google Scholar

28.

A. B. Rylands , G. A. B. Fonseca , Y. L. Leite and R. A. Mittermeier 1996. Primates of the Atlantic Forest, origin, distributions, endemism, and communities. Em: P. Norconk , editor. Adaptive Radiations of Neotropical Primates. Plenum Press, New York. pp. 21–51. Google Scholar

29.

K. B. Strier 1992. Faces in the forest: The endangered Muriqui monkey of Brazil. Oxford University Press, Oxford. 138 p. Google Scholar

30.

K. B. Strier 2000. Population viabilities and conservation implications for Muriquis (Brachyteles aracnoides) in Brazil's Atlantic Forest. Biotropica 32: 903–913. Google Scholar
Denize Fontes Nogueira, Daniel da Silva Ferraz, Aquila Fialho Oliveira, Fernanda Pedreira Tabacow, Sara Machado de Souza Amâncio, and Fabiano Rodrigues de Melo "Occorrência de Primatas No Parque Estadual do Ibitipoca e Entorno, Estado de Minas Gerais, Brasil," Neotropical Primates 17(2), 67-70, (1 December 2010). https://doi.org/10.1896/044.017.0204
Published: 1 December 2010
JOURNAL ARTICLE
4 PAGES


SHARE
ARTICLE IMPACT
Back to Top